Falta de transparência gera suspeita de fraude e relembra 'Anões do Orçamento'

Teste de Espaço de Anúncio
Sorteio ocorreu no último sábado, mas o Estado do ganhador só foi revelado nesta terça-feira (14).
O mais recente sorteio da Mega-Sena, que aconteceu no último sábado (11), em que apenas uma aposta simples (R$ 3,50) ganhou o maior prêmio regular da história (R$ 289 milhões), gerou muita desconfiança e suspeita de fraude.

Nas redes sociais, os internautas deixaram claro que não ‘engoliram’ o fato da Caixa Econômica Federal (CEF) não informar de pronto o nome do Estado e da cidade onde o jogo foi registrado. O argumento do banco é de que não teria como saber onde foi feita a aposta, porque foi registrada pela internet.

Nesta terça-feira (14), a CEF informou apenas que apostador que se apresentou para receber o valor e é de Pernambuco, mas não revelou o nome da cidade. A situação gerou ainda mais desconfiança.

O caso lembra um dos grandes escândalos do Brasil conhecido como os “Anões do Orçamento”, ocorrido há 20 anos, que veio à tona depois do assessor da Comissão de Orçamento José Carlos Alves dos Santos ter sido preso, acusado de armar a morte da própria mulher. Devido à pressão, ele confessou todo esquema comandado pelo deputado baiano, João Alves que, na época do PFL.


O parlamentar ficou conhecido com a desculpa de ter conquistado todo o patrimônio através de sorteios da Loteria. Segundo ele, ganhou 56 vezes só em 1993, que pela probabilidade matemática, representa gasto de US$ 17 milhões somente em apostas.

RepórterMT


Nenhum comentário:

Todos os recados postados neste mural são de inteira responsabilidade do autor, os recados que não estiverem de acordo com as normas de éticas serão vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros.

Tecnologia do Blogger.