Com ameaça de massacre, escola de Sinop suspende as aulas

Teste de Espaço de Anúncio

Mais uma escola de Mato Grosso suspende suas atividades em decorrência de ameaça de terrorismo pré-anunciado via redes sociais. Dessa vez, a Escola Estadual Edeli Montovani, de Sinop, suspendeu suas atividades em decorrência de ameaças de um massacre – marcado para acontecer na data de hoje, sexta-feira (5).

De acordo com o diretor da instituição, Ronaldo Teodoro, as ameaças começaram no dia 18 de março – 5 dias após o massacre na Escola de Suzano, no interior paulista, que repercutiu em todo país. Conforme o diretor, as mensagem agressivas, enviadas via WhatsApp para professores e alunos da comunidade escolar anunciavam um massacre “em obediência ao superior hierárquico”, denominado por um codinome composto por uma abreviação e um número. “Por várias vezes comunicamos as autoridades de segurança e buscamos apoio. Não obtivemos uma resposta satisfatória”, denuncia o diretor.

Com a ameaça circulando nos corredores da escola e a data do prometido massacre se aproximando, começou a cair significativamente a frequência escolar dos alunos. Segundo o diretor, nas últimas semanas o índice de alunos que não foram à escola chegou a 50%. “Um certo pânico foi instaurado”, revela.

O pavor levou a comunidade escolar a suspender as aulas na data de hoje, como medida preventiva.

A Escola Edeli Montovani conta com 21 salas de aula e agrupa 2,3 mil alunos em seus 3 turnos.



CONHECIMENTO BARRADO PELO TERROR

Na semana passada a Escola Estadual João Olímpio Pissinatti , em Sinop, suspendeu suas aulas em função de uma ameaça externa. Uma mulher, com sinais de transtorno psicológico começou a ameaçar alunos da instituição, chegando a invadir a escola com um facão. O medo levou pais a deixarem seus filhos em casa. Em pânico, a comunidade pediu ajuda para polícia, prefeitura, Ministério Público e até uma entidade que faz a reabilitação de dependentes químicos. Nenhuma medida mais severa foi tomada.

Ontem, quinta-feira (4), a Escola Estadual 13 de Maio, em Sorriso, também registrou um tumulto em função de uma ameaça de massacre. O pânico foi instaurado a partir de uma mensagem de WhatsApp que circulou junto da comunidade escolar.

Nas mensagens, um adolescente sugeria levar rojão, facas e facões para a escola. Cinco alunos do período noturno - de 16 e 17 anos - teriam tentado “dar um susto” nos colegas. “É uma brincadeira de uns adolescentes que fizeram isso para assustar os colegas”, afirmou o delegado que conduziu o caso.

O delegado disse ainda que os estudantes trocaram o nome de um grupo de trabalho da disciplina de Educação Física no aplicativo para “Gp do massacre 13 de maio”. Depois, começaram a mandar mensagens “planejando” o atentado. O print passou a circular nas redes e chegou até a direção da escola nesta madrugada.

Após a histeria, as atividades foram normalizadas ainda na tarde de ontem.

Fonte: Jamerson Miléski GCNoticia


Nenhum comentário:

Todos os recados postados neste mural são de inteira responsabilidade do autor, os recados que não estiverem de acordo com as normas de éticas serão vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros.

Tecnologia do Blogger.