Governo de MT institui preço mínimo para cachaça vendida no Estado

Teste de Espaço de Anúncio

O governo de Mato Grosso, por meio da Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz), publicou uma portaria que institui um preço mínimo para a comercialização de aguardentes e cachaças no Estado. A norma foi divulgada no Diário Oficial que circula nesta quarta-feira (20).

O Estado adota a política de substituição tributária e divulga a lista de preços mínimos dos produtos para que haja a cobrança antecipada do Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).


A portaria entra em vigor a partir desta quinta-feira (21) e já leva em conta a margem de lucro de 60% com a venda desse tipo de bebida.

De acordo com a publicação, uma garrafa da cachaça 51 Pirassununga Tradicional, de 965 ml, deve custar, pelo menos, R$ 10,73. Já uma garrafa de Reserva da 51 não pode sair por menos de R$ 101,97 a garrafa de 700 ml. O LIVRE consultou o site da empresa e uma garrafa da cachaça premium tem sido vendida por R$ 108, sem contar os custos do frete.

Ainda conforme a portaria do governo, o preço mais em conta deve ser o da cachaça Pitú, de 965 ml. Ela precisa ser vendida por, no mínimo, R$ 9,62. Em seguida aparecem a garrafa da Jamel, de 995 ml, por R$ 10,48; e a de Velho Barreiro, de 910 ml, na sua versão tradicional, com valor mínimo de R$ 11,39.

Na outra ponta da lista, os valores mais altos são os das cachaças premium. A Anísio Santiago, de 600 ml, tem custo estimado em R$ 329,90. No site Cachaçaria Nacional, o custo da bebida produzida em Salinas (MG) é de R$ 377, mais o custo do frete, estimado em R$ 21,78 para quem mora em Mato Grosso.


olivre

Nenhum comentário:

Todos os recados postados neste mural são de inteira responsabilidade do autor, os recados que não estiverem de acordo com as normas de éticas serão vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros.

Tecnologia do Blogger.