Mais de 1.500 policias militares ainda não receberam salário de novembro

Teste de Espaço de Anúncio


Os oficiais foram os mais atingindo com a medida do Governo.



Mais de 1500 policiais militares estão sem receber os salários do mês novembro por causa do escalonamento do Governo do Estado.

A situação repercutiu mal nas três entidades que representam os militares em Mato Grosso: a associações dos Oficiais (Assof), dos sargentos e subtenentes (Assoade) e a dos cabos e soldados (ACSPMBM-MT).

De acordo com o presidente da Assof, o coronel Wanderson Siqueira, mais de 1000 oficiais - tenentes, capitães, majores, tenentes-coronéis e coronéis – estão sem receber os salários. Segundo ele, a situação tem gerado muito desconforto na categoria.

Ressaltou que um movimento grevista está descartado, pois, segundo o coronel, a população não pode pagar o preço pelos desajustes do Governo. “Além do mais, é final de ano e se a população não sair às compras, com medo da criminalidade, aí que o Estado não consegue arrecadar mesmo”, observou.

Já o presidente da Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiros Militares de Mato Grosso (ACSPMBM-MT), cabo Adão Martins da Silva, destacou que cerca de 500 soldados e cabos ainda não receberam seus salários.

Também ressaltou que o descontentamento é geral da categoria que sofre para honrar com os seus compromissos. “Tem militar com luz atrasada, que não conseguiu pagar o plano de saúde e que já estourou o limite e está usando o cheque especial para arcar com as despesas da casa”, declarou.

Adão disse que esse cenário gera desgastes ao policial durante o trabalho nas ruas. “Não que ele deixará de cumprir com o seu dever. Mas não tem como negar que essa situação é estressante. Mas já conversei com muitos associados e o entendimento da categoria é trabalhar normalmente para garantir a segurança do cidadão”, disse.

O cenário de desânimo também repercutiu entre os sargentos e subtenentes. Segundo o vice-presidente da associação dessa categoria de militares, a Assoade-MT, Jamil Amorim de Queiroz, 40 servidores estão sem receber.

“É claro que existe o descontentamento, mas precisamos nos manter firmes para garantir a segurança da população nessa época do ano, quando ocorrem muitas festas”, destacou.

Escalonamento

No último dia 10, o Governo pagou os salários dos aposentados e pensionistas e também dos servidores da ativa que recebem até R$ 6 mil. Já os servidores que recebem acima disso tiveram seus ganhos escalonados para serem pagos até o próximo dia 21 de dezembro.

Ao justificar a medida, o governador Pedro Taques (PSDB) alegou falta de recursos no caixa do Estado.

Para pagar os demais servidores, ele aguarda o repasse de R$ 400 milhões do Auxílio Financeiro de Fomento às Exportações (FEX) por parte do Governo Federal.

Taques também destacou que se pagasse os salários de todos os servidores teria dificuldades no custeio das secretarias, “o que resultaria em paralisação de serviços essenciais à população”.

Segundo o Governo, a folha líquida do mês soma R$ 528 milhões, sendo que R$ 172 milhões são referentes ao pagamento de servidores inativos e pensionistas. Pelo menos metade da folha dos aposentados é complementada mensalmente com recursos do Tesouro, por conta do déficit previdenciário.

Há ainda neste mês a necessidade de pagamento de mais R$ 154 milhões relativos ao décimo terceiro dos servidores aniversariantes de novembro e dezembro, dos comissionados e dos servidores estatais, o que eleva os gastos líquidos com pessoal nesse mês para R$ 672 milhões.


RepórterMT

Nenhum comentário:

Todos os recados postados neste mural são de inteira responsabilidade do autor, os recados que não estiverem de acordo com as normas de éticas serão vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros.

Tecnologia do Blogger.