Assassinado a tiros em Colíder foi condenado por explodir caixa eletrônico em Matupá

Teste de Espaço de Anúncio




Dieferson da Silva, de 29 anos, foi assassinado a tiros, ontem à tarde, nas proximidades de um bar no bairro Setor Industrial, em Colíder (157 quilômetros de Sinop). Ele estava com uma mulher em um Ford Edge prata que foi alvejado por pelo menos 10 disparos na porta do passageiro e no para-brisa. Ela também foi baleada, socorrida pelo Corpo de Bombeiros e levada ao hospital regional, mas não foi divulgado seu estado de saúde.

A versão investigada pela Polícia Civil é que o Ford Edge foi cercado por um Fiat Siena ocupado por três homens, usando capuz. Eles efetuaram vários disparos contra Dieferson, que chegou a descer do veículo, tentou correr, mas acabou caindo e morrendo próximo a um barracão.

Leita também: Marido não aceita fim de relacionamento e espanca mulher com golpes de rodo em Alta Floresta

Equipes da Polícia Militar fizeram buscas para tentar localizar os suspeitos, mas até o momento, ninguém foi preso. A motivação do crime está sendo investigada.

Consta no sistema do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, que Dieferson foi preso em flagrante pela Polícia Civil acusado de fazer parte de uma quadrilha que explodiu caixas eletrônicos do Bando do Brasil, no município de Matupá, em março de 2015. Ele e outros 21 homens foram denunciados pelo Ministério Público do Estado pelo crime de furto.

Em maio de 2017, ele foi condenado a 6 anos, 10 meses e três dias de reclusão em regime semiaberto pelo juiz da Terceira Vara Criminal de Colíder, Maurício Alexandre Ribeiro, por integrar a organização criminosa.

De acordo com informações da funerária Pax Med, o corpo de Dieferson deve ser sepultado hoje, em Colíder. Os familiares não autorizaram a divulgação do horário.
Fonte So Noticias

Nenhum comentário:

Todos os recados postados neste mural são de inteira responsabilidade do autor, os recados que não estiverem de acordo com as normas de éticas serão vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros.

Tecnologia do Blogger.