Delegado e investigadores são presos acusados de tortura em Mato Grosso

Teste de Espaço de Anúncio

O Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), composto  por membros do Ministério Público Estadual, Polícia Civil e Polícia Militar, e a Promotoria de Justiça de Colniza estão, neste momento, dando cumprimento a três mandados de prisão preventiva em Colniza (1.065 km ao Norte de Cuiabá). As prisões foram determinadas pelo juiz da comarca contra o delegado de polícia Edison Ricardo Pick e dois investigadores do município.
As investigações estão em curso e apuram a prática de crimes de tortura cometidos pelos implicados na comarca de Colniza. Os cumprimentos dos mandados de prisão contam com o apoio e acompanhamento integral da Corregedoria Geral de Polícia Judiciária Civil do Estado de Mato Grosso.
Edison Pick era o delegado responsável pela investigação de uma chacina acontecida na Gleba Taquaruçu do Norte, em abril de 2017. Na ocasião, nove pessoas foram assassinadas por matadores de aluguel contratados pelo dono de uma madeireira da região de Colniza.
Ele também investigou o assassinato do então prefeito do município, Esvadir Mendes, em dezembro do ano passado.
A Polícia Judiciária Civil (PJC) informou, por meio de nota, que acompanha o caso para tomar medidas administrativas em relação aos possíveis crimes cometidos por policiais no município.
Veja a nota da Polícia Civil:
A Corregedoria Geral da Polícia Judiciária Civil acompanhou o Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (GAECO), na manhã desta terça-feira (16), no cumprimento a mandados de prisão em desfavor de um delegado de polícia e dois investigadores lotados na Delegacia de Colniza. 
As ordens judiciais foram requisitadas pelo Ministério Público de Colniza. 
A Corregedoria da PJC prestou integral apoio e está se atendo aos fatos para adoção das medidas cabíveis em âmbito administrativo disciplinar.

RepórterMT

Nenhum comentário:

Todos os recados postados neste mural são de inteira responsabilidade do autor, os recados que não estiverem de acordo com as normas de éticas serão vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros.

Tecnologia do Blogger.