Sargento envia 'carta de amor' à Justiça e consegue soltura de mulher

Teste de Espaço de Anúncio
Habeas corpus foi deferido pela 1ª Câmara Criminal do TJMT após pedido do sargento da PM.




O sargento da Polícia Militar, Marcelo Gonçalves da Silva, 43 anos, pediu para que a Justiça soltasse a mulher dele, Ozélia Francisca Amaral, 40 anos, apesar de ela ter dado um tiro no peito dele durante uma briga do casal, no último dia 31 de julho, em Rondonópolis (a 218 km de Cuiabá). O pedido inusitado foi aceito nesta terça-feira (18), pela turma de desembargadores da 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT).

Marcelo encaminhou uma carta aos desembargadores, pedindo para que fosse concedido o habeas corpus à esposa.  No texto, o militar afirma que deseja “manter o matrimônio e a unidade familiar”, e que por isso é necessária a soltura da companheira para que ela cuide do filho do casal de quatro anos de idade.

A carta foi lida durante a sessão pelo desembargador Paulo da Cunha, relator do processo, que concedeu a liberdade para mulher que tentou matar o marido na frente do filho. O voto dele foi acompanhado pelos demais magistrados.

Na primeira instância, o juiz do caso havia negado o habeas corpus, apesar do Ministério Público Estadual (MPE) – em Rondonópolis – ter emitido parecer favorável à ré.

Apesar da soltura, o desembargador Cunha impôs algumas medidas cautelares à mulher, como não sair da cidade de Rondonópolis, além de comparecer mensalmente em juízo para relatar sua rotina.

O caso

O sargento da PM foi baleado no peito pela mulher na residência do casal, no bairro Parque Rodolfo, em Rondonópolis (218 km de Cuiabá). A tentativa de homicídio aconteceu na frente do filho de quatro anos, que saiu correndo após os tiros. Foram quatro disparos no total.

De acordo com a Polícia Militar, após os tiros, Ozélia ligou para a polícia e socorreu o marido. Ela o acompanhou até uma unidade de saúde e depois foi presa.

Aos policiais, ela confessou o crime e disse que foi por motivo fútil. Os dois estavam no quarto do casal quando começaram a discutir por causa de mensagens no celular. Ela queria ver as mensagens do celular dele, mas ele não deixou.

A briga continuou e o PM disse que não aguentava mais e iria sair de casa e pediu para que encerrassem a discussão, pois ele precisava dormir. Foi quando ele se deitou e ela pegou a arma dele, que ficava em cima do guarda-roupas.  O filho do casal dormia no mesmo quarto quando mulher atirou contra o marido.

Na época, o sargento foi internado em estado grave e teve que passar por cirurgia de risco para retirar a bala que ficou alojada no peito.
RepórterMT/Reprodução

Nenhum comentário:

Todos os recados postados neste mural são de inteira responsabilidade do autor, os recados que não estiverem de acordo com as normas de éticas serão vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros.

Tecnologia do Blogger.