Estado vai escolher novo banco para pagar servidores

Teste de Espaço de Anúncio

Banco do Brasil, atual operador, tem contrato até 2020 e poderá concorrer para seguir prestando serviço.

Secretário de Fazenda Rogério Gallo deu início à licitação para mudança de banco.
O Governo do Estado deu início a um processo de licitação para escolher um novo banco responsável pelos pagamentos dos servidores públicos e outros serviços bancários. O processo, em andamento na Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz) deve substituir o Banco do Brasil, atual prestador destes serviços, ou formalizar um novo contrato com a mesma instituição financeira. O banco escolhido deve pagar R$ 88,6 milhões por ano ao Governo.

O Banco do Brasil fornece os serviços bancários ao Governo desde a 2011. O contrato firmado na gestão Silval Barbosa previa o pagamento de R$ 36 milhões por ano. Já na gestão Pedro Taques (PSDB), a partir de 2015, o Banco do Brasil passou a pagar R$ 38 milhões ao ano. O contrato se encerra em 2020 e prevê o processamento da folha salarial dos servidores públicos e de todas as movimentações financeiras da administração estadual.

“O início do processo em 2018 visa dar total transparência para que os trâmites licitatórios corram com tranquilidade, sem afogadilho, para que o resultado seja a oferta da melhor prestação de serviços aos servidores e à administração pública”, destaca a Sefaz em nota.
“O início do processo em 2018 visa dar total transparência para que os trâmites licitatórios corram com tranquilidade, sem afogadilho, para que o resultado seja a oferta da melhor prestação de serviços aos servidores e à administração pública”, destaca a Sefaz em nota.

Com o Banco do Brasil, o atual contrato foi estabelecido por meio de dispensa de licitação. Assim, o banco poderá concorrer para seguir prestando serviços ao Estado.

“O Governo reforça que está elaborando a minuta do Termo de Referência (TR) visando diminuir os custos com taxas bancárias e para garantir aos servidores o melhor pacote de serviços”, aponta a Sefaz.

O Governo do Estado de Mato Grosso, para fins de publicidade e transparência, esclarece sobre a abertura do processo licitatório para a contratação de instituição financeira:

O início do processo em 2018 visa dar total transparência para que os trâmites licitatórios corram com tranquilidade, sem afogadilho, para que o resultado seja a oferta da melhor prestação de serviços aos servidores e à administração pública.

O contrato vigente com a instituição financeira para o processamento da folha salarial, bem como do processamento de todas as movimentações financeiras da administração estadual, é de cinco anos, com término previsto para 2020. Portanto, não se trata de rescisão contratual.

Por ser um processo demorado, com muitas fases, foi dado início com a audiência pública, no dia 21 de setembro de 2018. A realização da mesma foi amplamente divulgada nos meios de comunicação oficiais do Governo do Estado, como também foi anunciada em jornais de circulação local e nacional, obedecendo às regras de divulgação para dar transparência ao certame, que ainda terá outras etapas.

Importante esclarecer ainda que o contrato vigente foi feito por dispensa de licitação e que, agora, todas as instituições financeiras, inclusive o atual prestador de serviços, poderão participar do processo licitatório.

Portanto, nem o Governo e nem os servidores terão prejuízo algum, pois é de interesse dos bancos realizar esse serviço e a instituição financeira vencedora terá que remunerar o Estado pelos benefícios decorrentes da movimentação dos recursos do Estado, o que também vem ao encontro de uma gestão fiscal responsável.

O Governo reforça que está elaborando a minuta do Termo de Referência (TR) visando diminuir os custos com taxas bancárias e para garantir aos servidores o melhor pacote de serviços.





RepórterMT

Nenhum comentário:

Todos os recados postados neste mural são de inteira responsabilidade do autor, os recados que não estiverem de acordo com as normas de éticas serão vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros.

Tecnologia do Blogger.