Filho confessa que matou pai e mãe porque não suportou ouvir "lição de moral"

Teste de Espaço de Anúncio
adriano.jpg


Em depoimento prestado ao delegado Gutemberg de Lucena Almeida, Adriano Alves Manoel, de 33 anos, confessou ter matado o pai, o policial civil Noraíde Manoel Morais, de 64 anos, e a sua mãe, Elza Alves Manoel, de 63 anos, dentro do rancho da família, às margens do Rio Jauru, na tarde de segunda-feira (5), no Município de Glória D’Oeste (312 km de Cuiabá).
Na oitiva, Adriano, que é dependente químico, disse que havia ingerido remédios e usado drogas no momento do crime. O acusado contou que havia sido agredido pelo pai com soco e que posteriormente, o policial começou a lhe dar “lição de moral” para que ele largasse as drogas. Logo depois, Noraíde deitou na rede e continuou a dar conselhos ao filho.

Após ser chamado atenção, Adriano teria se irritado e pego uma faca que estava em cima de uma mesa e acertado o tórax do policial. 

Ao ver o marido sendo ferido, Elza que estava sentada perto da rede, se levantou e tentou intervir. Para impedir que a mãe se aproximasse, Adriano deu uma facada no abdômen da mulher.

Após o crime, o acusado deixou as vítimas no local e fugiu correndo para beira do Rio Jauru, onde descartou a faca. Pouco tempo depois, Adriano ouviu alguém chegando na porteira. Ao ir até o local, viu que se tratava de um caminhoneiro que iria fazer uma entrega em outra propriedade.
O caminhoneiro disse ter ouvido os gritos e havia ido ao local para ver o que estava acontecendo.
No tempo em que Adriano foi se livrar da faca, Noraíde conseguiu ir até o guarda roupa, onde estavam guardadas duas armas de fogo, porém não conseguiu alcançar as armas e ficou caído no cômodo.

Neste momento, Adriano chegou ao rancho com o vizinho para fazer o resgate do pai, no entanto, Noraíde já estava morto. O acusado disse ao homem que não ouviu os gritos do pai.

Enquanto isso, Elza ainda estava viva. Um outro vizinho foi até o local e ajudou Adriano a levar o casal até o até o Posto de Saúde da cidade de Porto Esperidião (325 km de Cuiabá). No entanto a mulher morreu pouco tempo depois de dar entrada na unidade de saúde.



"Adriano já cometeu vários crimes, entre eles uso e tráfico de drogas. Ele confessou que matou os pais e justificou, dizendo que o pai o agrediu. Ele disse que tinha bebido, tomado alguns remédios e durante a lição de moral, ele matou o pai. A mãe interveio e ele, na sequência, desferiu as facadas na mãe", disse o delegado Gutemberg que investiga o caso.




Por LUIS VINICIUS / Hiper Noticias




Nenhum comentário:

Todos os recados postados neste mural são de inteira responsabilidade do autor, os recados que não estiverem de acordo com as normas de éticas serão vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros.

Tecnologia do Blogger.