Manifestantes fecham parcialmente BR-163 na praça de pedágio em Lucas do Rio Verde


A manifestação ocorreu nas proximidades da praça de pedágio da concessionária que administra a via. Dirigentes de pelo menos 20 entidades cobram a duplicação da rodovia no Norte e Médio Norte, onde há intenso tráfego de carretas, caminhões, veículos e ocorrem graves acidentes com vítimas fatais.

De acordo com a assessoria da Rota do Oeste, o tráfego está parcialmente interditado. Eles bloquearam a passagem dos veículos apenas pelas cabines de pagamento manual. O fechamento é feito por meio de automóveis estacionados sobre a rodovia. A pista de cobrança automática está liberada.

Ontem, os representantes das entidades se reuniram na câmara de vereadores de Lucas para cobrar melhorias na manutenção e início imediato da duplicação da rodovia federal. Eles devem elaborar um documento para ser encaminhado ao Ministério Público Estadual, que pode ser transformado em ação contra a concessionária que tem a concessão por 30 anos.

Até agora, foram duplicados 117,6 quilômetros na região Sul do Estado. No Nortão não tem duplicação - exceto trechos nos perímetros urbanos de Sinop e Sorriso.

A Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR) apontou que a duplicação da BR-163 em Mato Grosso depende da aprovação na íntegra a Medida Provisória 800/2017, que auxiliará na continuidade e retomada da duplicação de 453,6 quilômetros - sob concessão da Rota do Oeste, nos trechos entre a divisa com o Mato Grosso do Sul e Rondonópolis, de Posto Gil a Sinop, além da rodovia dos Imigrantes. A votação está prevista para ocorrer até a próxima segunda-feira, na Câmara e no Senado.

Outro Lado

Por nota, a Rota do Oeste esclareceu anteriormente, que participa de forma rotineira e transparente de debates sobre BR-163 junto aos municípios impactados. Disse ainda que o início da segunda etapa de duplicação não foi possível em decorrência da não liberação do financiamento pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Social e Econômico (BNDES), conforme acordado à época do leilão de concessão. Desta forma, toda a receita obtida nos pedágios é destinada ao cumprimento de todas as outras obrigações contratuais, como os atendimentos médicos, de guincho e das obras de manutenção do pavimento.

“Este não é um problema enfrentado exclusivamente pela Rota do Oeste. A situação é semelhante em todas as concessionárias da 3º etapa do Programa de Investimentos em Logística (PIL), implantado em 2014”, informou.



Nenhum comentário:

Todos os recados postados neste mural são de inteira responsabilidade do autor, os recados que não estiverem de acordo com as normas de éticas serão vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros.

Tecnologia do Blogger.