Governador Taques é investigado por desvio de verba de combate ao trabalho escravo

Teste de Espaço de Anúncio

Um suposto desvio e suspensão do Fundo de Erradicação do Trabalho Escravo em Mato Grosso (Fete), por parte do governo de Mato Grosso, é alvo de investigação pelo Ministério Público Estadual (MPE). O MPE abriu um inquérito civil no dia 5 de fevereiro e deu prazo para que o governo se explique a respeito da suposta irregularidade.

Por conta desse impasse, a Comissão Estadual de Erradicação do Trabalho Escravo (COETRAE), vinculada à Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), está com as atividades paralisadas desde setembro de 2016.

A Sejudh informou que vai se manifestar oficialmente na tarde desta quinta-feira (15).

Os recursos do Fete são arrecadados por meio de condenações e acordos judiciais de ações envolvendo a exploração de trabalho, multas e indenizações provenientes de termos de ajustamento de conduta, infrações e indenizações, entre outras autuações.

A portaria é assinada pela promotora Audrey Ility. O COETRAE disse, no documento, que desde 2016 as verbas destinadas ao Fete estão sendo utilizadas indevidamente pela Sejudh.

A promotora determinou que a Procuradoria-Geral do Estado (PGE) de Mato Grosso preste informações, no prazo de 20 dias, sobre os valores destinados ao Fete.

Também terá que ser informado o montante que foi utilizado pela secretaria e o prazo em que a verba será devolvida ao fundo.
Por G1MT

Nenhum comentário:

Todos os recados postados neste mural são de inteira responsabilidade do autor, os recados que não estiverem de acordo com as normas de éticas serão vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros.

Tecnologia do Blogger.