Índios Xinguanos fazem carta apoiando traçado da BR-242 passando por Canarana

Teste de Espaço de Anúncio
Gado sendo conduzido pela BR-242 em São Félix do Araguaia (Crédito: Agência da Notícia/Reprodução)
Gado sendo conduzido pela BR-242 em São Félix do Araguaia
Cerca de 200 indígenas se reuniram em Canarana para debater os desafios e avanços da governança no Território Indígena do Xingu
Esse é o desafio enfrentado pelos indígenas que vivem no Território Indígena do Xingu (TIX), região que engloba o Parque Indígena do Xingu e três Terras Indígenas adjacentes – Pequizal do Naruvôtu, Wawi e Batovi. Com o objetivo de discutir e firmar acordos sobre a governança no TIX, cerca de 200 indígenas e suas lideranças se reuniram entre os dias 7 e 9 de novembro na cidade de Canarana.

Nos últimos anos, o TIX enfrenta uma série de transformações que exigem novas formas de organização e articulação entre os xinguanos. O aumento da população, o fortalecimento do associativismo, a abertura de estradas no entorno, pressão para grandes obras de infraestrutura saírem do papel – como a BR-242 – e projetos de lei que ameaçam os direitos indígenas são alguns exemplos.

“A governança sempre existiu, é a instância pela qual as lideranças indígenas tomam decisões importantes sobre o destino do Xingu. Agora estamos em um momento de reformulação em função das mudanças que vêm ocorrendo no TIX”, comenta Ianukula Kaiabi, consultor indígena da governança e mediador da reunião.

A governança é a instância máxima de decisão dos xinguanos sobre as principais questões da gestão ambiental e territorial de interesse comum aos povos do TIX: cultura, território, alternativas econômicas, soberania alimentar, educação, saúde e infraestrutura. “Precisamos nos fortalecer politicamente para poder coordenar toda essa estrutura”, reitera Ianukula.

Representantes das quatro regiões do TIX fazem parte do comitê da Governança. Além dos caciques tradicionais, há cadeiras para representantes das mulheres e da juventude.

Ameaça ao Kamukuwaká

A implantação da BR-242 nas proximidades do Complexo Arqueológico de Kamukuwaká preocupa os xinguanos. Eles temem que a ampliação da estrada destrua o sítio arqueológico, tombado em 2010 pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), e agrave os conflitos socioambientais na região.

Na reunião de governança, eles se colocaram contra a estrada, reiterando seu direito à consulta livre, prévia e informada, que deveria ter sido respeitado antes do início do processo de licenciamento.

O povo Wauja tem uma especial relação com a Gruta de Kamukuwaká. Os indígenas alertam que a estrada, além de ameaçar a integridade do sítio arqueológico, coloca em risco a sustentabilidade do modo de vida tradicional de seu povo. “O traçado da BR 242 deve se afastar da gruta do Kamukuwaká e políticas de proteção do Kamukuwaká devem ser implementadas de forma consistente antes do início das obras”, diz o texto da carta.

Indicação para a Funai


Os xinguanos escolheram um novo nome para ocupar a cadeira da Coordenação Regional (CR) Xingu da Fundação Nacional do Índio (Funai), com sede em Canarana. Loike Kalapalo foi indicado pelos presentes na reunião após três dias de debates. A denominação será encaminhada para a Funai que poderá ou não acatar a decisão.



Agência da Notícia

Nenhum comentário:

Todos os recados postados neste mural são de inteira responsabilidade do autor, os recados que não estiverem de acordo com as normas de éticas serão vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros.

Tecnologia do Blogger.