Pupin perde fazenda de R$ 50 milhões em leilão na Justiça por dívida com banco

Teste de Espaço de Anúncio
Pupin perde fazenda de R$ 50 milhões em leilão na Justiça por dívida com bancoO produtor rural José Pupin, conhecido como “Rei do Algodão”, observou uma de suas fazendas ser arrematada em um leilão judicial na última segunda-feira (31), por R$ 50 milhões. O empresário tentou reverter o feito, mas a Justiça manteve a transação em decisão desta quarta-feira (02).
A medida foi estabelecida pelo Tribunal de Justiça de São Paulo para pagar uma dívida com o Banco Santander.

Conforme descrição, o imóvel rural com área total e 1.855 hectares está localizado no município de Campo Verde (140 Km de Cuiabá) e foi arrematado por um grupo empresárial concorrente de Pupin.

Uma das diretrizes do Banco Santander é atuar de maneira incisiva na cobrança do segmento de agronegócios.

Contrariado, José Pupin protocolizou pedido para anular o leilão. O produtor afirmou que o procedimento estava repleto de irregularidades.

Pupin não teria sido intimado sobre a penhora do bem; os advogados do empresário também não teriam sido notificados, foi argumentado ainda sobre uma irregularidade no edital quando ao valor mínimo de alienação.

O pedido para anular o leilão foi negado nesta quarta-feira (02) pelo magistrado Antonio Carlos de Figueiredo Negreiros. No mesmo ato, o juiz mandou assinar o auto de arrematação.

O grupo JPupin, do empresário José, passa por recuperação judicial, ajuizada no dia 28 de agosto de2015, por dívidas que somam aproximadamente R$ 898 milhões.


Em novembro de 2016 um imóvel rural, com área total de 3.780 hectares, localizado no município de Santo Antônio de Leveger, às margens da na BR-364, foi leiloada também pela Justiça de São Paulo. O bem recebeu avaliação de R$ 73,5 milhõe

Arthur Santos da Silva.
Olhar Jurítico

Nenhum comentário:

Todos os recados postados neste mural são de inteira responsabilidade do autor, os recados que não estiverem de acordo com as normas de éticas serão vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros.

Tecnologia do Blogger.