Justiça investiga internauta de MT que acusou Moro de receber mala de dinheiro

Teste de Espaço de Anúncio
O comentário contra o juiz Sérgio Moro pode gerar até dois anos de prisão por calúnia.
O mato-grossense vai responder na Justiça Federal por ofender, na internet, a honra do juiz de Curitiba, Sérgio moro, responsável pela condução da Operação Lava Jato.
Um internauta mato-grossense vai responder na Justiça Federal por ofender a honra do juiz de Curitiba, Sérgio moro, responsável pela condução da Operação Lava Jato, sob a acusação dos crimes de calúnia e difamação. 

O juiz da 5ª Vara Federal Jeferson Schneider será o responsável pela ação, encaminhada pelo juiz federal João Moreira Pessoa de Azambuja.

"esse modo, retornando este inquérito policial Justiça Federal, deverá ser imediatamente encaminhado ao Juízo da 5ª Vara para a restauração da movimentação processual, a fim de se evitar nova distribuição para este Juízo, o que acarretaria o recebimento de uma nova numeração, diversa da já existente", diz trecho do documento.

Conforme a ação, em uma matéria publicada em 15 de abril de 2015 com o título ‘Tesoureiro do PT é preso em casa na nova etapa da Operação Lava Jato’, no site G1, sobre a determinação de Moro para prender João Vaccari Neto, suspeito de receber propina na Petrobras, um internauta, que na ocasião assinou como José Arruda, publicou um comentário dizendo que o juiz Sérgio Moro recebia ‘malas de dinheiro’ em Curitiba. Em seguida o comentário foi apagado, mas gerou repercussão entre outros internautas, que ficaram revoltados com o comentário.

"No intuito de imprimir celeridade à continuidade das investigações, com a tramitação deste inquérito policial, entre o Ministério Público Federal e a autoridade por não haverem medidas constritivas e acautelatórias pendentes nem situações que justifiquem a submissão dos autos a este órgão do Poder Judiciário Federal, determino que se proceda a baixa na distribuição, remetendo-se os autos ao MPF, para as providências a seu cargo", determinou o magistrado.

Com a permissão para a quebra de dados, a Polícia Federal identificou que Edesio da Silva Evangelista, morador de Cuiabá, é o titular tanto do e-mail quanto do telefone publicados no comentário do usuário ‘José Arruda’. Já a pesquisa pelo endereço de IP aponta que o computador utilizado para postar a mensagem ofensiva é de Pablo Vinícius de Andrade, de Campo Verde (137 km de Cuiabá).

O crime de calúnia pode gerar até dois anos de prisão e multa. Já a difamação acarreta em até um ano e multa.

RepórterMT/Reprodução.

Nenhum comentário:

Todos os recados postados neste mural são de inteira responsabilidade do autor, os recados que não estiverem de acordo com as normas de éticas serão vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros.

Tecnologia do Blogger.